A Alma Gêmea

A Alma Gêmea

 

De sua alma gêmea à procura,

Nas noites, até naquelas mais escuras,

Vasculha a cidade, todo o asfalto.

Na busca, implora ajuda do alto.

 

Procura aquela alma, bela fêmea,

Tão linda em seu porte, elegante.

Com todas, sempre, sendo mui galante,

Nenhuma, no entanto, su’alma gêmea!

 

O tempo vai passando, inexorável

E nunca encontra aquele diamante,

A gema que o faça, feliz amante!

 

Porém. a encontrará no astral!

Seu corpo, pelo tempo, acabado,

resta, para su’alma, o amor sonhado!

 

Manoel Virgílio

Anúncios

Confuso

 

Confuso

 

Se vejo o azul do céu, vejo você,

Mais bela não se , nem na TV.

Sonhando, eu me vejo em seus braços,

Confundo, nos céus, todos seus traços.

 

Nas nuvens, tento ver o seu retrato,

Pintura de um artista abstrato!

Ninguém possui seus olhos, tão castanhos

São lindos, mas, também, muito estranhos.

 

Profundos, neles, vejo um mistério,

Que cerca o seu ser e me alucina:

Você, nem sei se me quer ou abomina!

 

Confuso, pois não sei qual seu critério:

– Se ama a quem a ama ou despreza,

Se fica com aquele que a preza.

 

Manoel Virgílio

Roletas do mor

  

Roletas do Amor

 

Amar sem ser amado é dolorido

Sonhar ser um amante, sem ter sido.

Os beijos que, em sonhos são beijados

Ao dia, na real, nos são roubados!

 

Amar sem ser amado, frustração

O amor te ser negado, rejeição!

Esperas por um amor que não terás

E a quem, a ti, te quer, rejeitarás.

 

Pierrot, ainda chora a Colombina

Que em meio aos confetes e serpentinas,

Levou-a, o Arlequim, no Carnaval.

 

Roletas do amor, não têm igual!

O Rei tem a rainha, quer a dama.

A Dama quer o valete a quem ama!

 

Manoel Virgílio

“Amar, é amar …” e “Colombo. a Confeitaria”

 

Ontem, enviei por  e-mail, para todos meus amigos o soneto "Amar, é amar …", mas como foi com dois erros na métrica, o estou postando já corrigido. Também estou postando o "Colombo, a Confeitaria" que fiz atendendo a um convite, da Sala Academia Virtual de Poetas , para participar de uma Ciranda, tema "A Colombo".

  

 

Amar ,  é amar

 

Amar, é amar o céu, a natureza,

Seus olhos, seu sorriso e beleza.

Amar, é amar o mar, o ar marinho,

Seu corpo e, no seu colo, fazer ninho.

 

Amar, é amar a chuva e o frio,

O amor, que alivia meu calafrio.

Amar, é amar o vento na janela,

Dormir, juntinhos, os dois sob as flanelas.

 

Amar, é amar a noite na procela

Os pés aquecer, nos pés que são os dela,

Dormir, vendo seu rosto que sorri!

 

Amar, é acordar com o Bem-te-vi,

Tomar café com leite, na manhã,

Nos lábios dela, o gosto da maçã!

 

Manoel Virgílio

 

 

  

 

Colombo, a Confeitaria

 

Da porta da Colombo se sente

Que, dentro, a “belle époque” é presente.

Visão que nos reporta ao Rio Antigo,

Ao Rio que ao francesismo dava abrigo.

 

Salões tão ricamente ornamentados,

Pela alta sociedade valorados.

Artistas que, famosos, os freqüentaram

Políticos, por ali, também, passaram.

 

Assim, nos seus salões, foram fregueses:

Rainha Elizabeth, dos ingleses,

Getúlio e Juscelino, Presidentes,

Bilac, grã poeta, mui presente!

 

Bengalas, casimiras e cavanhaques,

À época, na moda, eram destaques.

 

Manoel Virgílio

 

 

 

Ainda falando sobre Amor ….

 

 

O Amor Do Corpo E o Do Espírito

 

O corpo, cultuado em demasia,

Do amor é, hoje em dia, a razão.

O que é material é primazia,

Função primordial de adoração.

 

Se Deus nos fez, os homens, à sua imagem

E, ELE, é puro espírito no universo.

O homem faz-se falso personagem,

No corpo, valoriza o reverso.

 

O amor, o verdadeiro, o ideal

Não é a relação que é carnal

Porém, de duas almas, a comunhão.

 

 O amor do corpo que é sensorial,

Produto, momentâneo, da relação

Do homem e da mulher, esse é ilusão!

 

Manoel Virgílio

Agora, “O Que É O Amor?”

 

 

O que é o Amor ?

 

Os dias em que vivemos, são horríveis!

Amar é um ato, , material.

Somente algumas almas, mais sensíveis

Que sentem, o amor, ser espiritual.

 

Valor damos a atributos que são físicos

Porém, o que é do espírito não vemos.

Jamais acreditamos no que é místico,

No amor, somente sexo queremos.

 

Se é belo o seu corpo, é apenas mito!

E fica, pelos tempos adormecido,

O belo do romance que fenece.

 

O homem, entretanto, é mais espírito!

O corpo exaltado, carcomido,

murcha, mas a mente, ainda, cresce.

 

Manoel Virgílio

“Te Amo”

 

Para os Eternamente Apaixonados 

 

Te Amo

 

 Amamos o “te amo”, nos dizerem;

Ouvi-lo, para o ego é um gosto!

É fonte inesgotável de prazeres,

Daqueles que, vermelho, deixam o rosto!

 

O ego, satisfeito, nos acalma.

É estímulo que eleva nossa alma.

Amar e perceber que é amado,

É ter os pés no ar, viver alado.

 

Difícil é amar e não ser amado,

Viver a agonia do desprezado

Que ama, mas não é correspondido.

 

Pior é ver com outrem quem se ama,

A quem, o coração, amor proclama,

Viver esse amor, sempre, escondido.

 

Manoel Virgílio