Paraiba do Sul e Werneck

Na 3a. feira, dia 17, estarei postando uma homenagem ao poeta Mário Quintana, com um soneto que escrevi, usando como mote, um verso de um poema dele, que postarei,  também. Não percam. MV

Paraiba do Sul e Werneck  

Nos tempos em que eu, Virgilio, era garoto,

Passeios, em Paraiba, à Salutáris!

No parque, a peteca e os "brotos",

 Turistas que buscavam novos ares.

 

Mas, hoje, aquelas fontes já secaram!

As águas que eram puras, minerais,

Se foram, com o tempo acabaram

E, agora, nem o Parque, ali, há mais.

 

Agora, quando vou à Paraiba,

Aquela, que é do sul, bela princesa,

 Bucólica, escondida no seu vale,

 

Eu subo à Werneck, trem em riba,

Viajo pela serra, em belezas,

Visões que aliviam os meus males.

 

 

Werneck

 

Werneck, um passeio diferente!

Você, se tem um gosto em descobertas,

No trem que vai partindo, após o alerta,

Werneck já descobre, num repente.

 

A estrada corre próxima ao rio,

E cruza, o Paraíba, o do Sul.

A máquina com força e muito brio

Vai, lenta, meio à mata, céu azul.

 

Paisagens, muita gente deslumbrada,

Alegres, juntos curtem as paradas,

Comprando todo o artigo artesanal,

Os doces e até a pinga do local.

 

Na volta, o trenzinho sai da praça,

Descendo, a Maria que é Fumaça!

 

Manoel Virgílio

 
Anúncios

Um comentário sobre “Paraiba do Sul e Werneck

  1. Olá meu saudoso e talentoso amigo Virgílio, meu poeta querido!
    Estou em falta com você. Perdoe minha ausência.
    Estou reformando o apê em São Vicente, que na realidade é a mesma praia de Santos, com um morro entre elas.
    Mas é outro município. Histórico e charmoso. Ando ocupadíssima e nem tenho mais tempo para as postagens no blog.
    Mudo dia 30 de agosto e até lá tenho muuuuito trabalho pela frente. Mas valerá a pena porque estou tecendo o meu ninho exclusivo.  Será uma experiência muito interessante morar sozinha aos 55 anos! Sinto-me como uma adolescente!
    Os filhos, morando e estudando em Sampa, descerão nos fins de semana para dividirem a atenção comigo e com o pai .
    Tudo está em paz e em ordem no meu mundo, meu amigo. Novos ares, novos ventos e muita vida, graças a Deus!
     
    E como dizia Sir William George Ward – 1812 a 1882  – Teólogo inglês
     
    "O PESSIMISTA SE QUEIXA DO VENTO,
     O OTIMISTA ESPERA QUE ELE MUDE,
     O REALISTA AJUSTA AS VELAS."
     
    Assim levo a minha vida: ajustando as velas. Sempre! Porque sou amiga do vento!
     
    Grande beijo em seu coração e Deus o abençoe.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s