Teus Olhos

 

Teus Olhos

 

Teus olhos, para mim, são como os mares:

– São lindos, mui tranqüilos – quase sempre!

Profundos eles enchem a minha mente

De sonhos que são belos em meus andares.

 

As vezes, em tempestades, manifestam

Em brilhos, qual se fossem bravos raios,

Com raiva, os pensamentos que te infestam.

Porém, eles, de ti, são bons lacaios.

 

Após a tempestade, a calmaria!

O fundo dos teus olhos se alivia

E, logo, qual o raio, a raiva passa.

 

Navegam os meus sonhos nos teus olhos,

Em ondas que explodem nos abrolhos
E, deles, de um olhar eu vivo à caça!

 

Manoel Virgílio

Recanto de Encantos


No meu Recanto de Encantos, apresento-lhes, novamente, a poetisa Ceres Marylise.
 
            INSIGNIFICÂNCIA

            Ceres Marylise 

            Quando eu souber encontrar-me nos sorrisos,
            nas gotas de cristal que caem da chuva,
            nas duras pedras encobertas por neblina,
            no sol, nos pássaros e também na brisa;

            Quando tudo aos meus olhos for inerte,
            já sem forma, sem cor e bem distante,
            e eu penetrar qual anjo nos mistérios,
            que em silêncio caminha entre as sombras;

            Quando eu olhar para dentro de mim mesma
            e aos caminhos do cosmo tão diversos,
            serei então, como um potente microscópio
            que enxerga longe em invisíveis universos.

            Perceberei assim, minha insignificância,
            dando lugar ao amor sobre-humano
            e abraçarei a todos como irmãos:
            às arvores, aos mendigos e às feras.

            Livrar-me-ei do egoísmo e da vaidade
            e humilde beijarei a cada espinho,
            retirando piedosa minhas sandálias
            pra não ferir as pedras do caminho.

Sofrimento e Vingança !

Este soneto é daqueles que me agrada ter escrito. Daqueles que quando acabo de escrever, sinto que fiz algo melhor. Mas, sem qualquer conexão com a realidade !

 

 

Sofrimento e Vingança

 

Um dia você vai lembrar de mim,

Sofrer, quanto me fez sofrer, assim.

Sentir o tanto dói ser desprezado,

Amar, sem esperanças de ser amado.

 

Sofrer pela espera e a ausência,

A espera da pergunta sem resposta.

Sofrer pela ausência, com freqüência,

Rezar pela resposta de mãos postas.

Vingança! Vou esquecer você, enfim!

De quanto, para mim, foi tão ruim.

De tudo que de mal por mim já fez,

Sofrer será, por fim, a sua vez!

 

Então, eu rezarei que o seu sofrer,

Não doa tanto, quanto o meu doer!

 

Manoel Virgílio

 

Amanhã, no meu "Recanto de Encantos",  Insignificância da Poetisa Ceres Marylise

Homenagem a Luciano Pavarotti

 

No meu "Recanto de Encantos" publico a homenagem que o poeta português Daniel Cristal prestou  ao tenor italiano Luciano Pavarotti, recentemente falecido. 

 

 LUCIANO PAVAROTTI

Daniel Cristal

 

Tenor do belo canto, voz divina,

aquela que ouvimos com deslumbre

continua entre nós, o timbre em cume,

continua no festejo desta vida.

 

O Sole Mio, Avé Maria, La Bohème,

quanto encanto na voz da vastidão,

tanta beleza quanta emoção,

génio e dom batidos formam creme…

 

Há Homens que se firmam como mitos,

Homens a quem Natura soube dar

tudo o que o Deus dos deuses desejou;

 

E se tudo acontece por desígnio,

então, feitos estão para imolar

génio e dom ao Deus que nos criou.

 

2007.Portugal

Entre Nós

 

 

Entre Nós

 

Quisera eu provar deste amor

Que, juras, que a mim, tanto tu tens.

Queria bem provar do teu calor,

Porém ao meu encontro, tu não vens.

 

Seria, com certeza, um pecado,

Quem sabe, um bom pecado entre nós.

Porém p’ra ser, o fato, consumado,

Difícil é, assim, se estamos a sós!

 

Meu corpo sobre o teu se assentaria

E juras de amor, eu juraria.

Assim, se de prazer, estremecesses

 Seria prova: –  tu o merecestes!

 

Se queres bem viver a experiência,

De nós, dependerá sua vivência.

 

Manoel Virgílio

 Amanhã estarei postando, aqui, uma homenagem ao grande tenor Luciano Pavaroti feita num soneto pelo, também grande, poeta português Daniel Cristal. Não percam.

 
 

Recanto de EncantoS – Dueto: “Teus Ais”

   "Recanto de Encantos"
 
   Reabro, hoje, meu "Recanto de Encantos" para receber Efigênia Coutinho e João Evangelista Rodrigues num  dueto sob o tema "Teus Ais".
   Já tive a honra de postar, aqui, algumas poesias de Efigênia Coutinho, "A Dama da Poesia",  a mentora da Academia Virtual de Poesias Sala de Poetas e Escritores, á qual tenho a honra de pertencer, assim como  João Evangelista Rodrigues,  extraordinário poeta  que, também, tenho a honra de apresentar neste "Recanto de Encantos".

Teus Ais

Dueto de Efigênia Coutinho e João Evangelista Rodrigues 

Efigênia Coutinho

Teus Ais                                                                                      

Por  noites de esplendor e exaltação
desfrutávamos dos sonhos o alento!
Ainda, inquietação em mim provocas
Transmutando desejos com alento!…

Ao arrebatamento íntimo a caricia
sentindo na memória os teus anelos
Que retorna deixando-me enleada
Somente em recordar a nossa estória:

Duas almas navegando juntas,
reencontros pelas escritas
Não há todavia como esquecer!
 

Neste tempo, magia e rituais
da paixão, na derradeira cavalgada
você vinha, com vinho e teus ais!…

 Setembro de 2007

                                                                                 

                                                                         teus ais!
                                                                         
João Evangelista Rodrigues

 

                                                                                                                               escuto de longe
                                                                                                                               no escuro do cais
                                                                                                                               soluços de antes
                                                                                                                               e só me respondem
                                                                                                                               silêncio de monge
                                                                                                                               teus ais!

 

                                                                                                                               no Dia do Amante
                                                                                                                               em sítio distante
                                                                                                                               de Minas Gerais
                                                                                                                               o mar mareante
                                                                                                                               repete oscilante
                                                                                                                               teus ais!

                                            

                                                                                                                               nas ruas de ferro
                                                                                                                               de pedra sabão
                                                                                                                               no corpo do ermo
                                                                                                                               severos sinais
                                                                                                                               só ouço em desterro
                                                                                                                               teus ais!

                                                                                  

                                                                                                                               são sinos sinceros
                                                                                                                               são meros sinetes
                                                                                                                               são risos de Eros
                                                                                                                               punhais alfinetes
                                                                                                                               são gritos reais
                                                                                                                               teus ais!

 

                                                                                                                               são grifos cristais
                                                                                                                               escritos fatais
                                                                                                                               proscritos missais
                                                                                                                               felizes mortais
                                                                                                                               gemidos carnais
                                                                                                                               teus Ais!

 

                                                                                                                               no Dia do Amante
                                                                                                                               o amor viajante
                                                                                                                               a lua sonante
                                                                                                                               a água na fonte
                                                                                                                               suspira ofegante
                                                                                                                               teus Ais!

                                                                                                      teus Ais!
                                                                                                      teus Ais!

 

Setembro 2007

A Cantada

  

A Cantada

 

Perdão, mas vou te dar uma cantada!

Aqui, pela Internet, mas ninguém,

Jamais te indicará ser a visada;

Será, apenas, alguém cantando alguém.

 

Contudo, saberás que a cantada,

A ti, somente a ti, é destinada.

Será qual a estória de um sapato

Que sendo de cristal provou um fato.

 

Não queiras me esnobar por seres linda!

Eu sei ser atrevimento o que te peço,

Porém, as conseqüências, eu não meço!

 

Também, ciente estou que posso, ainda,

Pagar, perante a Deus, a ousadia:

– Mas deixa-me usar teu micro, um dia?

 

Manoel Virgílio

 

Se não leram, para entenderem bem a brincadeira, leiam o soneto "UM Micro`Porretinha" postado em 15 de setembro de 2007.