Coquetel de Natal

            Tinha previsto, para hoje, postar um soneto meu e a poesia de Ceres Marylise, mas resolvi encerrar o ano com um verdadeiro coquetel de poesias. assim posto , também, Eugênia Coutinho, Guida Linhares e elane tomich, todos da nossa Academia Virtual sala dos poetas e escritores .                                                            

 

                                                                               Um PRóSPERO ANO Novo  COM PAZ, SAÚDE e MUITO AMOR, Mas …

 

Novo Ano, Tudo Novo?

 

O ano se inicia com foguetes,

Nas ruas, criaturas são joguetes.

Sem teto, sem abrigo, sem direitos,

Perderam, dos demais, todo o respeito.

 

Se dizem: – no ano novo, tudo novo,

Comecem por amparar todo esse povo.

Aqueles, humilhados na pobreza,

Que tenham um Ano Novo, com certeza!

 

Difícil fica, assim, comemorar,

Sabendo que há crianças sem jantar.

Não basta num asilo os “arquivar”!

Famílias devem ter trabalho e lar!

 

Difícil, feliz ano, termos assim:

Que toda essa vergonha, tenha fim!

 

Manoel Virgílio

 

 

 

 

 Feliz Ano Novo, Mãe-Terra!

 Ceres Marylise

 

 

Compensação suprema do Criador Eterno,

à humanidade que sonda os teus mistérios…

que inconseqüente, não pára e reflete

sobre o destino de um futuro incerto.

 

 

 

Que lacera o teu corpo com feridas,

saturando de dor tuas entranhas.

Desassossego daqueles que protestam

ante a dúvida e a incerteza do amanhã.

 

 

 

Ó minha Terra-mãe, o Universo inteiro

se rende ao teu alento exarcebad

com esse amor tão grande e verdadeiro

que até esquece os golpes do passado.

 

 

 

Que não durmas no total esquecimento

daqueles que se nutrem e se nutriram

do que foste, do que deste e ainda dás,

do teu seio, do teu sangue e do teu ventre.

 

 

 

A ti desejo nesses Novos Anos,

que os homens afinal, sejam conscientes,

encontrem a paz que tanto necessitam

e ouçam teus gritos dolorosos e insistentes!

 

Feliz 2008
Efigênia Coutinho

Ainda é possível ser Feliz
abraçar o mundo com carinho
muito além do além…

Ainda é possível ser Feliz
ver o Sol nascer,
e renascer com ele…

Ainda é possível ser Feliz
a ambigüidade douta cor
dentro de mim dentro de você!

Ainda é possível ser Feliz
Deste sonho desta arte poeta
na hora exata de liberar o canto!

Ainda é possível ser Feliz
desenho na esperança o
sonho duma criança…

 

Balneário Camboriú

2007/2008

 

Sementes de Esperança

 

  Guida Linhares

 

 

Mais um ano de esperança,

movendo a alma da gente,

que nunca pára e nem cansa

de plantar uma nova semente.

 

Semente de paz a mais bela,

dentre todas as virtudes,

luminosa sentinela,

guardiã das atitudes.

 

Semente de amor familial

alicerçada na compreensão,

livrando a todos do mal,

em fortes elos de união.

 

Semente de amor sincero,

com cuidado cultivado,

não sendo apenas mero

passatempo descuidado.

 

Semente da pura amizade,

cultivada com carinho,

trazendo a felicidade,

p`ra ninguém ficar sózinho.

 

Semente de união bendita,

que junta todas as raças,

em cujo coração crepita

o fogo eterno das graças.

 

Santos/SP

 

Um Ano Novo repleto de realizações, dos sonhos mais guardados…

 

… e que Deus seja louvado!

No sorriso dos amigos

 na tréplica dos inimigos

nas crenças do nascimento

no átimo deste momento

no meu amor por vocês

nos fractais dos acordes

na lógica matemática

que se perdera e, não pode,

nas frutas aromáticas

que ao mundo exalam os trópicos

em nova estrada fantástica

 tempo de paz temática.

 

Elane Tomich

 

 

 

 

Hoje Daniel Cristal com “Uma Fiança de Amor”

É com muito prazer que, mais uma vez, lhes apresento a poesia de Daniel Cristal. Leiam que dispensa elogios. Amanhã posto o soneto meu "Novo Ano, Ano Novo?" e , novamente Ceres Marylise, com "Feliz Ano Novo, Mãe Terra".

UMA FIANÇA DE AMOR
Daniel Cristal

Sabes como entro no Ano Novo? – Com afã!
Pois claro, sabes bem! – Co’a mão e o pé direitos!
Como um supersticioso, claro, co’a maçã
no topo da cabeça, alvo dos archeiros!

Mas entro, apesar disso, ansioso e afoito,
com o melhor sorriso, cheio de esperança
que se crie um arquétipo de prata e oiro
e que ele se interiorize como especial fiança!

Uma fiança de Amor, uma generosa entrega
aos valores solidários, às dádivas puras
para que a miséria perca suas amarguras.

É com afã, pois sim, que entro na refrega,
sujeito ao desafio, a maçã na cabeça
pronta a ser alvejada por quem me apareça!

18.12.2003

Seguindo a série com o Ano Novo,

 

Apresento-lhes este excelente  "Tempo" da poetisa Ceres Marylise um expoente da nossa poesia e da AVSPE.

 

 TEMPO

Ceres Marylise

 

 

Nesta noite em que todos comemoram

a morte de um ano insuportável,

de violência, desgoverno e incerteza,

as mãos se buscam ainda em efusão

para um desejo de paz alvissareira.

 

 

Passam pessoas vestidas de loucura,

paira no ar o hálito dos ébrios;

 a cidade parece estar histérica…

esta é a noite em que todos se esquecem

das contas, das partidas, das tristezas.

 

 

Aos pobrezinhos dormindo nas calçadas,

dizem palavras de alento aos infelizes,

como se o tempo marcado pelos homens,

mudasse realmente cada história

e apagasse nossas fundas cicatrizes.

 

 

Ó tempo, que és o último e o primeiro,

tu que passas entre cinzas e enfeites,

tu que avanças com ruídos, tempestades,

tu que não morres, nem carregas nossas cruzes,

mostra aos homens outra forma de acolher-te!

 

 

Ceres Marylise

Madrugada de 31/12/05

Agora o Ano Novo … Sorri !

Sigo com a série sobre o Ano Novo, com uma mensagem de Ógui Lourenço Mauri da Academia Virtual Sala dos Poetas e Escritores.     

 

 

O NOVO ANO BATE À PORTA… SORRI!

 

Ógui Lourenço Mauri

 

 

O ano de 2008 bate à porta! Faço votos que o recebas com um sorriso, mesmo que agora ainda estejas com aquela "cara amarrada" que 2007 te impôs!… O "novo" não está nos acontecimentos, mas na maneira de como se olha para eles. Fita-os, sorrindo…

 

Neste dilúculo de "virada de ano", alegria é a "palavra de ordem". Nada mais compreensível — embora paradoxal — em tempos tão conturbados.

Abandona o azedume que fica em 2007 e recepciona 2008 com um escancarado sorriso!

Mesmo porque teu sorriso à chegada do "novo" tende a dar à tua família e a teus amigos um sentido mais forte do significado da palavra "acreditar". E essa percepção perdurará no Ano Novo… Sob os efeitos da Felicidade, da Paz e do Amor!

 

Além disso, será à vista de teu sorriso de esperança que virá a convicção de que, fora do âmbito familiar, estarás tomado pelos sentimentos de fraternidade, exatamente aqueles que fortalecem a aproximação das pessoas e culminam no sucesso pessoal.

Tudo na linha vertical da Fé que liga os três mundos: O Material, o Espiritual… e o Divino!

FELIZ 2008!

QUE TU O RECEBAS COM UM SORRISO!

 

Ógui Lourenço Mauri

Catanduva (SP), dezembro/2007.

Agora o Ano Novo !

 

Ano Novo

 

É triste e alegre um Ano Novo!

É triste em se saber que sofre o povo.

Alegre, o Ano Novo é uma criança

Que traz, ao seu nascer, novas esperanças.

 

Alegres esperamos um porvir,

Que traga a alegria do existir,

Que afaste a miséria desta Terra

E todas as tristezas dessas guerras.

 

É triste, no entanto, o saber

Que o homem, ano a ano, faz promessas

Porém, que esquece, delas, sempre às pressas.

 

Quisera, diferente, com prazer,

Viver no Ano Novo uma verdade: –

Enfim, há paz no mundo e igualdade!

 

Manoel Virgílio

 

Ainda o Natal !!!

              

               Foram tantas as mensagens que li dos amigos da Academia Virtual Sala de Poetas e Escritores que prolongo por mais um dia a série que pensei encerrar ontem, e, mesmo assim, deixo de postar muita coisa linda desses poetas e poetisas maravilhosos. Renovo meus cumprimentos à Efigênia Coutinho pela iniciativa de criar essa Academia que nos dá a possibilidade de conhecer tantos talentos espalhados pelo nosso Brasil e  paises de lingua portuguesa, a exemplo desse magnífico poeta português, Daniel Cristal que posto abaixo em companhia de Eugênia Coutinho e Deth Haak. Meu abraço a todos, Manoel Virgílio. 

 

 

SENHOR
 Efigênia Coutinho
 
 Agradeço por tudo neste mundo,
 O tanto que o caminho permitiu.
 O empenho foi dado na colheita
 E o meu coração só se doou.
 
 Do sonho nobre, o qual desenhei,
 Guardei lembranças do que passou;
 Pois, a sorte tanto me fez sorrir
 Que em todo o Universo ecoou !
 
 Amigos que nesta vida encontrei,
 Com todos, sentei-me nesta Sala
 E foram os que tanto a Deus pedi.
 Na modulação os sonhos propagam-se
 
 Hoje, agradeço todo este Amor,
 Que nos extasia e nos revive,
 Deixado dentro do meu coração.
 E convido-te para esta minha Oração!

ÁRVORE DE NATAL
Daniel Cristal

A árvore de Natal que escolhi
Criei-a na estufa pró efeito;
Despida estava quando a recolhi
Mas fica enorme e bela quando a enfeito.

Em vez de bolas áureas e artigos
Comprados com os €uros de papel,
De ramas de algodão com papai Noel,
Enfeito-a com as fotos dos Amigos.

Fica linda esta árvore de decoro!
Resplandece o brilho da Amizade
E o carinho do peito com saudade!

Ilumina o Mundo pelo coro
Duma feliz mensagem d\’ esperança:
Esta radiosa imagem duma dança!

Portugal

 

Feliz Natal!
Deth Haak


Quisera Deus no céu me ouvisse
As preces que em poemas dôo ao universo
Pra que, no coração de cada ser triste
Fosse Natal na nevoa que cai em meu verso.

Quisera Deus no céu me ouvisse
E dizimasse a fome deste mundo cão
E que promessa um só governante cumprisse
Pra que fosse Natal, em Natal todo dia pro irmão!

Quisera Deus no céu me ouvisse
E a violência exterminasse na terra
Pra que o amor pregado por Cristo persistisse
Pra que nesse Natal não houvesse Guerra!

Quisera Deus no céu me ouvisse
E as crianças fossem oceanos na seara
Pra nau navegar na pureza dum olhar triste
Pra que nesse Natal o amor partisse
em galera.

Quisera Deus no céu me ouvisse
E nos tetos de zinco chovesse a esperança
Pra de abundancia alimentar o que desiste
Pra que nesse Natal se colhesse perseverança.

Quisera Deus no céu me ouvisse
Como a inspiração que a rima obedece
Pra que o Poema em cada face sorrisse
E meu querer de amor o Mundo invadisse!

Quisera Deus no céu me ouvisse
E os poetas fossem como é o Vento
Que espalha amor no punhal que cravaste
Pra que neste Natal não sangrasse lamento…

Quisera Deus no céu me ouvisse
As laudas que escrevo ao irmão submisso
E o pecado plasmado do outro redimisse
Aos que com Natal não tem compromisso.

Quisera Deus no céu me ouvisse
Como a Brisa que ora pelos desvalidos
Secando do rosto a lagrima que insiste
Molhar faces dos por mim compadecidos.

Quisera Deus no céu me ouvisse
E a calçada fria levasse agasalho
Aquecendo corpos e com gorros a calvície
Para que fosse Natal em todo borralho!

Quisera Deus no céu me ouvisse
O que grito a viração por querer união
Entre povos do mundo todo, e se cumprisse
Para que fosse Natal de todo o perdão!

Quisera Deus no céu me ouvisse
Como os sinos que tocam nessa ocasião
Solando vento sem que a nenhum restringisse
Um Feliz Natal majorado de benção!

“A Poetisa dos Ventos”

Deth Haak
Cônsul Poeta Del Mundo – RN
Sociedade dos Poetas Vivos e Afins do RN
AVSPE
UNEGRO

 

Dia de Natal

 

 

 

NASCE UM DEUS
    Lino Vitti *

 

Receberam-te a palha , os  animais,
  e o coruscar dos astros celestiais!
  Receberam-te ovelhas e pastores
  e o perfume das ervas e das flores !  
  Não foi festa de reis e potentados
  nem o marchar de exércitos armados !

 

A música suave dos arcanjos
  divinizara a noite em mil arranjos !
  Maria – a Mãe – envolta em luz de aurora
  E José, de joelhos, reza e chora!

 

Veio ao mundo Jesus – a Suavidade –
  Messias da Justiça e da Verdade,
  a Salvação dos povos e nações,,
  trazendo Paz e Amor às multidões.

 

O estrépito das glórias esmorece
  porque é momento de humildade e prece,
  é a hora de falar dos corações,
  é a hora divinal das emoções.
  porque Cristo nasceu – a criança loura –
  no berço de ouro de uma manjedoura.

 

O Esperado chegou, com Ele a Paz,
  com Ele, o Amor… E tudo se refaz,
  sob o encanto divino dessa criança
– Rei da Fé, Rei do Amor, Rei da Esperança,
  a Fé dos pequeninos e do sonho,
  do Eterno Pai  a despontar risonho,
  abrindo portas à felicidade,
  beijo de luz vindo da eternidade.

 

Deus Menino, ao seu presépio eu corro,
  necessito de amparo e de socorro,
  precisamos sentir Tua presença
  para que a humanidade se convença
  que, sem Deus, não há Paz, Fraternidade,
  nem Amor, nem qualquer Felicidade !

 

* Príncipe dos Poetas Piracicabanos

 

 

 

 

 

 Meus Dias de Natal

 

Saudades do Natal, quando criança!

Dos sonhos que embalaram minha infância,

Brinquedos eram pedidos a Noel,

Porém, era da avó o seu papel.

 

No quarto, quando, cedo, acordava,

Presentes, escondidos, os achava!

E tantos eram os sonhos: – vinham em lotes,

Que abria, manhã inteira, os pacotes.

 

Pobreza ao redor, eu não sabia.

Crianças sem presentes, soube um dia.

Difícil acreditar; coisa maluca!

 

E, hoje, ainda, isto me machuca:

– Ao ver tanta criança sem Noel,

Eu vejo a realidade que é cruel.

 

Manoel Virgílio