Gosto e Não Gosto

 

 

 

     Hoje uma brincadeira relatando o que gosto e o que não gosto! Mas vão inseridas algumas críticas ao que vejo por ai. Uns irão concordar mas outros não. Difícil agradar a todos. Mas, a todos eu abraço.

 

 

Gosto e Não Gosto.

 

Eu gosto do que gosto e me faz gosto,

Gostar do que eu gosto, não paga imposto.

Não gosto de Partidos e deixo posto:

– Eu gosto do que é claro e não do fosco!

 Detesto escuridão no ambiente,

Exceto num motel e, ali, somente,

Boites, muito escuras, não me assanho,

E, saunas, nem aquelas só p’ra banhos.

 

Eu gosto de lugar com muita gente

Se gente educada é que o freqüente.

Eu gosto de teatro e cinema

De ver um bom ator, quando em cena.

Eu gosto nas mulheres, de olhos lindos,

Roliças, não importa, a carne é boa!

Sem mais qualquer detalhe, aqui findo,

Não quero apanhar, já, da patroa!

 

Não chamem o Virgílio a andar de barco

Nem mesmo num Iate eu embarco.

E nisto eu não faço exceção,

Prefiro ir por terra ou de avião.

Não gosto de cachorro que não late,

Pois pode estar com raiva que nos mate.

Detesto, em Igrejas ,a gritaria;

Por certo, até Jesus condenaria

 

 

Meu prato é bem melhor com “boi ralado”,

Verdura, só se for no ensopado,

Abóbora, será com carne seca,

À mesa o vinho tinto, porém, seco,

Eu gosto de um chope bem gelado

Mas nunca meu limite ultrapassado.

Não gosto de quem é muito falante,

Aquele que fala alto em restaurante.

 

Não gosto desse funk, pancadão,

Que é coisa à sacudir o garotão,

Prefiro ouvir, da música, a melodia

Com ritmo gostoso, em harmonia.

Mas gosto de curtir o carnaval

No samba, a bateria é bem legal.

P’ra ver o Bola Preta, vou no sábado,

E, logo, o Carnaval, dou por acabado.

 

 

Bermudas em festa à noite é aberração,

Se é calor, por que não usar calção?

Na praia é que se fica à vontade,

¨Trajar bem não impede a liberdade.

Detesto ver mochila em condução

Exceto se à frente e bem à mão.

Não gosto de papel, ao chão, jogado,

É coisa de um povo mal educado.

 

Chinelo que uso em casa não vai à rua,

Poeira guarda o corpo, quando sua.

Também traz no seu pó aquele escarro

Que cospem nas calçadas e até do carro.

Por isto não vou à cama sem bom banho.

É coisa que aprendi, já desde antanhos,

Com minha boa avó que, com certeza,

Passou-me educação, bem portuguesa.

 

Falando em Portugal, é lindo o fado.

Ainda vou, um dia, àqueles lados.

Também, à Buenos Aires, o tango ouvir

E pares à dançar, volto a curtir.

Um dia: – vai ficando mais difícil –

Detono a rotina com um míssil

E saio com meus lenços e documentos,

Curtindo à vontade meus momentos.

 

Eu gosto de meu médico, o João,

De exames, o resultado, é curtição,

É bom ou não é bom, é loteria!

Porém, não ir ao doutor, eu preferia.

Eu vou, porém, não gosto de enterros,

Por isto ao morrer não quero erros:

– Desejo ser cremado sem assistência,

As cinzas irão p’ra um vaso com Hortências.

 

Manoel Virgílio   

 

Respeito aos Direitos Autorais!

 

Deixe seu comentário clicando em “scrapt” (todos lêem) ou mensagem (só eu leio). Grato.

 
 
Anúncios

Amigos da AVESP e ELO

   Desculpem o atraso na postagem, mas me distrai escrevendo uns versos que vou postar, amanhã: – "Gosto e Não Gosto". Não é soneto. Verifiquem se o que gosto, vocês gostam, também! Não percam!!                       
   Hoje dois sonetos. O primeiro é um  verdadeiro exercício, um quebra cabeça. Citei 37 poetas da AVESP, num soneto, com métrica e rima!!!
 

Amigos da AVSPE

 

Eu cito num soneto alguns amigos

Que nessa Academia têm abrigo.

O Victor, a Efigênia e o Cristal

Malu, Socorro, Ceres, Marcial.

 

A Márcia, a Tomich e a Odete,

Princesa, a Trujillo, Scarpa e Deth!

Liany, Marcos Loures, Sueli

O Sanches, Benedito e a Nancy.

 

A Carmo, Lino Vitti e o Tarcísio

Assis . Rodrigues Neto e o Maciel,

George, Luli, Teka, Samuel.

 

O Sávio, a Abensur, Lucia Benício

A Naida, a  Fiúza e a Pelicano.

Com Caio, finalmente, desço o pano!

 

Manoel Virgílio

 

Elo

 

Um elo representa bons amigos,

Unidos, para sempre, pela vida.

Não vivas atrelado a teu umbigo

Porque não serás livre qual as bridas.

 

Amigos são, na vida, importantes,

São elos, que unidos, para sempre,

Amparam cada um, a cada instante,

Libertam, ao contrário da corrente.

 

Amigos fazem a tua liberdade

Liberto é quem atende ao coletivo.

Por eles és amparado, em verdade,

Porque o bem comum é o objetivo.

 

Trabalha para a urbe, livremente,

Será, sempre, amparado como gente.

 

Manoel Virgílio

 

Respeito aos Direitos Autorais!

 

Deixe seu comentário clicando em “scrapt” (todos lêem) ou mensagem (só eu leio). Grato.

 

Continuando o tema de ontem …

 

 

 

 

   

Matéria e Espírito

 

Desprezo a matéria e o meu corpo

Porque, logo, ao futuro, estará morto.

A alma da matéria se remove,

Matéria, a matéria a absorve.

.

Matéria se renova, em mesma forma.

O espírito é que fica e se transforma.

Eu dou ao que é do espírito valor,

Pois nele é que está o nosso amor.

 

Eu creio que o espírito não morra,

Pois provas não tivemos que isto ocorra.

O amor que é de Deus, permanece

E a idéia, sempre, fica, não fenece.

 

De Deus, cada espírito é parte

Com cada um de nós Ele o reparte.

 

Manoel Virgílio

 

Respeito aos Direitos Autorais!

 

Deixe seu comentário clicando em “scrapt” (todos lêem) ou mensagem (só eu leio). Grato.

 

Corpo E Mente

 Hoje o soneto abaixo, falando em corpo e mente. Amanhá, "Matéria e Espirito". Pelo visto ando preocupado com o transcendental!!!

 

 

 

 

Corpo ou Mente

 

Não veja o meu corpo, tão somente,

Pois, não mais tenho a força de outrora.

Acima de meu corpo está a mente,

Melhor que antigamente, está agora.

 

O corpo com o tempo, deteriora.

A mente, no entanto, é que melhora.

E erra quem só o corpo, enaltece;

É carne, e cedo a carne apodrece!

 

Se fica alguma coisa após a morte,

Somente a idéia que é forte.

Beleza só se exalta à juventude,

Enquanto ela tem a plenitude.

 

O espírito é que fica e é eterno:

– Se escapa dos pecados e do inferno!

 

Manoel Virgílio

 

Respeito aos Direitos Autorais!

 

Deixe seu comentário clicando em “scrapt” ou mensagem.

 Grato.

 

Um susto

 Caros amigos  Está havendo "algo de podre no reino do meu blog" . Primeiro as listas de Provérbios, Ditos Populares e Visitas ao Blog, sumiram parcialmente e hoje, ao fazer nova postagem, sumiu toda a coluna do meio com todas as postagens. Somente abria , no arquivo, a partir de janeiro. Que susto! Será algum virus/? Vou chamar meu técnico para verificar. Somente consegui regularizar, indo ao resumo e abrindo uma nova postagem.

Efigênia Coutinho

 Hoje, dentro da série "Poetas que Admiro" trago a Poeta Maior, EFIGÊNIA COUTINHO.
 

 

 

                                                                                                         

 

 

Efigênia Coutinho, A Dama da Poesia.

Manoel Virgílio

 

À Vate Efigênia, que é Coutinho,

Que faz a poesia ser amada.

Da “Sala de Poetas” fez um ninho,

No ninho a poesia, fez  morada.

 

Quisera ser meu estro, eloqüente,

Nos versos que eu escrevo à vate nossa. 

Importa ser, no entanto, competente,

P’ra, ver se, assim, meus versos ela endossa.

 

Seus versos, nos encanta em poesia,

A lira que derrama em seus poemas,

Nos leva, em belos sonhos, à fantasia.

 

Aqui, rendo homenagens à poetisa!

Queria, fossem, ricos meus fonemas,

Pois a rima rica, ao verso, eterniza!

 

Versos ao Reverso
Efigênia Coutinho
A  Manoel Virgilio Cortes

 

 

Verso ao reverso, os olhos despertos,  
disperso na dor,  teço no avesso

esboços, traços de sonhos sem dores…

 

Desembarco do trem  todos os sonhos

um despejar da vida na plataforma do

 Mundo, lancinante, submissa ao avesso!

 

Na soma total de toda uma Vida, a alma

 inversa  reversa o verso para chorar

toda a sua Poesia, libertando-se do vazio!

 

Vai caminhando a madrugada , uma
estrela luzente te espera atrás de todos os

Limites.Versos ao Reverso pelo Universo!

 

Outubro 05.2006
Balneário Camboriú

 

 EUGÊNIA COUTINHO

 

Efigênia Maria Coutinho, a Dama da Poesia, nascida em Petrópolis – RJ.
formada em Artes, se especializou em Tapeçaria de TEAR, buscando os seguimentos Indígenas e sua História Natural, tendo participado de várias exposições.
Em 1977 foi residir em Florianópolis SC e, atualmente, reside  no Balneário Camboriú –SC.  É Presidente de Honra da Academia Sala dos Poetas e Escritores que fundou em 2006  e que nasceu a partir da anterior Sala dos Poetas e Escritores.

Alguns depoimentos da poetisa sobre seu trabalho e seu pensamento: –

“A poesia surgiu em minha vida ainda nos sonhos de adolescente, quando menos esperava, lá estava eu com o papel e a caneta na mão, extravasando a minha emoção…”

“Percebi que existiam em mim sentimentos que extasiavam meu coração, mas a única forma de vivenciá-los era através de palavras.”

“ Meu estilo preferido é o lírico, onde escrevo sobre as inquietações do coração, mas também adoro o erotismo, estimula a minha libido.”

“E surgiu este site ( o da AVSPE): dedicado a vocês,Poetas e amantes da   poesia! Neste espaço cultural, de forma transparente.  posso abrir as janelas do meu coração e espalhar ao mundo meus sentimentos, sonhos e fantasias em forma de poemas. A poesia para mim, é um desafio da alma, às vezes apenas um sonho, ou simplesmente pura ilusão! Ela me leva para onde desejo estar, e as fronteiras são muito fáceis de ultrapassar… apenas palavras!” 

“A experiência mais agradável que a poesia me proporcionou foi me redescobrir na alma! Vou seguindo os caminhos que o meu coração ditar.”


" Não sou poeta, apenas desenho sentimentos" 
            Efigênia Coutinho

 

                                                                                                                         

                                                                                                                           

 

 

 

 

VERSOS POETAS
Efigênia Coutinho
         
À Daniel Cristal

Na noite qualquer estrela que vejo
é a minha, porque todas favorecem o
meu estado. De dia, o sol aparece radiante,
porque o vejo com olhos libertos!…

Tenho uma Lira, de cujo som eu me encanto;
quando é bem, me alegro, porque canto
para me alegrar; e, quando, pelo contrário,
não me pesa muito, o faço para alegrar a outrem!

A maior alegria que tenho, são a Poesia e os Poetas
com quem trato, porque em cada verso, eu
me hei de servir, só do meu para com todos;
tudo acontece neste caminho Versos-Poetas!

A poetisa sente amor, em sua Vida…
Assim são os meus Versos, como é minha
vida; e, se alguma coisa sobeja, será das
que ainda são importantes para toda Vida!

Florianópolis Junho 2004

ROSA E MULHER
Efigênia Coutinho

 

Quando cantas a rosa e a mulher,
Ambas se encantam do teu canto.
Divino canto para meu encanto,
Astro luminoso,água, ar,terra e fogo!

 

Mesmo adiando este encanto
Seja de dia ou na noite de
ternura, decisões arrebatam
ao quarto, induzindo ao fato!

 

Poesia também é promessa…
Estalam e quebram portas fechadas,
fervilhando teus passos,
onde o corpo se larga lasso!…

 

Desabrochando, a Mulher e a rosa,
dançam teus olhos na boca airosa,
tecendo tardes fugidamente…
O ar e o calor são dados preciosos!
Balneário Camboriú

01-02-2008

 

 

 

 

O AMOR
Efigênia Coutinho

O Amor nos caracteriza, fluindo,
sonho harmônico do existir e ser.
Ao alto onde foi estruturado,
cada um vai bordando seu saber.

Ele nos caracteriza por todos os dias.
E quando  há alguém com inveja
ou maledicência, outras existem
engrandecendo-o na formosura dos dias!

O Amor nos caracteriza e, nobre.
ilustra ao fim de cada dia grandeza:
atributo humanamente célebre!

Atenta cuidadoso em que estado és
enfeitiçado pelo enigma desse arcano:
são sete vidas com Amor Cigano…

Balneário Camboriú

12-novembro-2007

 

 

 

 

PALCO VAZIO
Efigênia Coutinho

No palco o poeta da poesia
descrevia o que bem queria…
Por vezes alegrias,ou fantasias:
nem por isso ficou mais calmo.

Fez o mundo sonhar, rir e chorar…
Hoje seu palco esta vazio, sem
roteiro; um espaço por abismos
impregnados, a platéia silenciosa!

A poesia ainda existe, afogando
sua memória, numa peça teatral,
no ir e vir temporal, tem chama, suor
e sangue…Fecha a cortina o pranto!

Mas poeta, tu és, não permitas teu
fim só porque a platéia se calou!

  

Balneário Camboriú
Janeiro 2008

 

 

RETRATO
Efigênia Coutinho

Imaginas sonhos, com o meu Retrato,
de como fico quando sou toda saudade:
sendo alma e coração, pura lealdade
Do glorioso Amor, que não combato.

Sou ave voando num céu de imediato,
Não importa se esteja azul ou proceloso,
Voando nas alturas a toda velocidade
sei que vou com todo porte ao rumo exato.

E tenha atenção ao meu semblante
Ao lado esquerdo magoado e torturado
E o do direito, feliz e resplandecente;

O Retrato da face revela, decerto,
O prazer de estar ao seu lado enamorada
Não tendo temor de nada por perto

Balneário Camboriú
outubro 2007

 

 

 

 

 

Quando a amuzade será amor.

 

 

 

 

 

Amor ou Amizade?

 

Além de uma amizade, aquém do amor,

Somente almas gêmeas em comunhão!

Terá o amor platônico, valor?

Ou amor é só de corpos em união?

 

Por que dar mais valor ao sensual?

Será o amor, no homem, animal?

Ao homem, que o amor seja só sexo,

Não faz qualquer sentido, não tem nexo.

 

Porque só o humano é racional

E o amor tem mais a ver com o mental.

Não é, no corpo, só uma sensação,

É coisa que nos traz o coração.

 

Amor, da amizade nascerá,

Se for bem verdadeiro crescerá.

 

Manoel Virgílio