Márcia Sanchez Luz – 2a. parte

2ª. Parte   – Seu Livro: No verde dos teus olhos

 

 

 

A Capa do Livro

 

 

A Poesia que dá título ao livro

 

No verde dos teus olhos

 

No verde dos teus olhos

Enxergo teus enganos

Proclamo teus pecados

E clamo, não me deixes!

 

O azul que em mares vês

Em verde se transforma

Transformas até ele

Por que não te transformas?

 

Trazes formas diversas

E cores modificas

Pergunto se não podes

A dor modificar.  

 

Norteias meu sorriso

Aturdes meu compasso

Num branco me arremessas

Atiras-me no espaço

 

E eu envolta em prantos

Prateio teu remorso

Ajustando em meu canto

Teu espelho, meu cansaço.

 

Feito Raro

 

Embora tudo se transforme

E entorne à terra a água que transborda

Transfigurando a única certeza inerte

Que embota a alma de tristeza incerta.

 

Embora tudo o tempo apague

E o riso doce transpareça a crença

De uma criança que se agita em festa

Desfigurando a lógica que açoita

 

Embora tudo não se aquiete agora

E a dor que assola não se locomova

Na ausência tosca de uma lamparina

Ardendo em fogo que nunca se apaga

 

                                               Eu quero o ar não rarefeito

                                           O feito raro de uma estrela

                                       Que atrelada a um minotauro

                                                  Traga mitos e matrizes

                                              Se enlaçando a cicatrizes

                                                Entranhadas, renitentes.

 

Para Amar-te

 

Se para amar-te

For preciso a bruma

Dar-te-ei o sol

Pra clarear teus dias

 

Se para amar-te

For preciso a seiva

Dar-te-ei o solo

Em que o alento brota 

   

Se para amar-te

For preciso o canto

Dar-te-ei as cordas

Com que vocalizo        

 

                                                                                                            Se para amar-te

                                                                                                         For preciso a Lua

                                                                                                            Dar-te-ei o orbe

                                                                                                   Onde habita Ártêmis

 

                                                                                                          E se ainda assim

                Achares que é pouco

         Dar-te-ei minhas lágrimas

                   Cedidas por Netuno

Entre Quatro Paredes

 

Entre quatro paredes

Esqueço-te.

Faço de mim companheira

Guardiã de meus sentidos

 

Digo pra mim mesma

Que a ninguém é permitido

Violar o meu silêncio.

Meu espaço é sagrado!

 

Entre quatro paredes

Não tenho defeitos…

Não sou acusada

Nem fico acuada.

                                                                                                  Violar meu santuário

                                                                                              É invadir-me por inteira.

  Guardo-me e, portanto

 Não tentes me destruir.

 

     Entre quatro paredes

       Desvendo quimeras

       Transcendo esferas

                  Estratosferas

                        Biosferas

                          Esperas

                             Eras…

 

Melodia

 

Não há que negar

Nossas diferenças

Posto que existem

O claro e o escuro

Na mais densa mata

De todos os palcos

Desta melodia

Cujo nome é vida!

Transportada em redes

De luares rentes

Pois que a ti concedem

O clarão da alma

Da mais pura calma

Concebida em noites

De total silêncio

Onde a dor acaba

E o furor transcende

Transpassando a mente

Doce e saborosa

Pois que vicejante

Em tua fala quente

Que atordoa e mente!

Faz-se soberana

Como em ti emana

A presença humana…

 

                                                                                              Mãos que se entrelaçam

                                                                                           Entregando espaços

                                                                                  Antes tão restritos

                                                                                                   À ínfimos laços!

MÁRCIA SANCHEZ LUZ

Onde encontrá-la na web:

 – http://www.marciasl2001.blogspot.com

O Imaginário – http://www.poemasdemarciasanchezluz.blogspot.com

No Verde dos Teus Olhos – http://www.protexto.com.br/livro.php?livro=145

Antologia "Saciedade dos Poetas Vivos" Digital, em Blocos Online – http://www.blocosonline.com.br/literatura/poesia/obrasdigitais/saciedigpv/04/marsluz01.php

Página Pessoal em Blocos Online – http://www.blocosonline.com.br/literatura/autor_poesia.php?id_autor=3251&flag=nacional

AVSPE – http://www.avspe.eti.br/poetas1/marcia.htm

Página Pessoal no Jornal de Poesia – http://www.revista.agulha.nom.br/marcialuz.html

Página Pessoal em Poetas del Mundo – http://www.poetasdelmundo.com/verInfo_america.asp?ID=3759

 

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s