Viver um grande amor

  

 

 

Viver um Grande Amor

Manoel Virgílio

 

Quem vive um grande amor…felicidade!

Quem nunca foi feliz, jamais amou!

Quem perde um grande amor sente saudades,

Quem nunca teve amor, só lamentou.

 

O amor é pedra rara de encontrar,

Quem o acha vive o medo de o perder.

Vivemos, às vezes, a vida a o buscar,

Pois nada é melhor que um bem querer.

 

Viver um grande amor é alegria,

Viver um desamor é grande dor.

A vida com amor traz harmonia,

Sem ele o viver perde valor.

 

Quem ama, às vezes, chora ser feliz,

Ou ri, por ter o amor que, sempre, quis!

 

O Amor é Loteria

 

 

  Amor é Loteria!

Manoel Virgílio

 

Difícil haver no amor cumplicidade,

Assim, quem tem um amor, não o vá perdendo!

E viva com seu bem, felicidade,

Porque quem perde um amor, fica sofrendo.

 

Amor é indispensável ao viver,

Mas amar sem ser amado é doloroso.

Amar só esperanças faz sofrer,

No entanto, se há retorno é prazeroso.

 

Difícil é, no amor, a parceria…

Alguém gosta de alguém, mas não o tem,

Porém, esse, também, não tem seu bem.

 

Achar um grande amor é loteria!

Jogando: – bem me quer ou mal me quer,

É sorte encontrar a quem requer.

 

O homem em seus momentos

 

Citação

O homem em seus momentos

 

 

 

A Vida Em Momentos

Manoel Virgílio

 

A vida é uma soma de momentos

Que às vezes são vividos em alegrias.

Porém, seguem-se outros de tormentos

Que fazem, do viver, uma agonia.

 

Alegra nossa vida a natureza,

As flores, o por do sol, tantas belezas.

Mas, tristes convivemos com  as guerras,

Dos homens, as misérias aqui na Terra.

 

Pois, ele, com o passado não contente,

Mas vive o presente intensamente,

Esquece que o futuro, não se apura.

 

A vida será toda uma ventura,

No dia em que o homem, em seus momentos,

Viver, de Deus, aqueles bons exemplos.

 

É dia 13 !!!

 

  

É Dia Treze, Sexta e de Agosto!

Manoel Virgilio

 

É treze, eu não saio aqui de casa.

Se saio, minha vida ao certo atrasa!

Mandinga me fizeram p’ra este dia,

Perigo de eu entrar naquela fria.

 

Na rua, acho um chato que me chama:

  – Querido! E vem pedindo uma grana;

A bicha vem dizendo que me ama,

E quer que eu me deite em sua cama.

 

A gripe vai virando pneumonia

Remédio não encontro na drogaria

Cerveja, no boteco, não tem Brahma

E aquela importada só tem fama.

 

Se saio, escorrego numa banana

E, assim, fico de molho uma semana!

 

Meu Destino

 

 

Destino

Manoel Virgílio

.

Amargo qual o sabor do passado,

Incerto qual a sorte no futuro.

Passado que às vezes foi errado,

Futuro bem feliz, peço e auguro.

.

Tão doce como fosse o amor amado,

Salgado qual na língua o sabor fel.

Alegre quanto o amor que é chegado,

Tristonho nessa vida sem quartel.

.

Seguindo uma rota em meu destino,

Destino ignorado e deserto,

A um fim que sempre indago, mas não atino,

Presente que, também, se mostra incerto.

.

Vivendo uma vida em mistérios,

Certeza? Só um final no cemitério!

 

Quem sou eu?

  

Eu

Manoel Virgílio

Eu sou, apenas, de um todo, uma parte
E nada neste mundo, nunca mudo.
Sozinho sou somente um encarte,
Um sócio sem gerência nesse tudo.

Eu guardo, em mim mesmo, meu sentir,
Procuro ser diverso em meu querer.
Se tenho o direito de ir e vir
Contudo, me é negado o de ser.

Eu sou somente um grão na enxurrada,
Na água que se move em turbilhão,
Que leva de roldão, tudo em arrastão.

Eu sou quem tudo quer, mas não tem nada,
No ciclo da existência programada,
Apenas um ser a mais na multidão.

Não sei

 

 

Não Sei

Manoel Virgílio

 

Não sei o que mantém, a Terra, no espaço,

Nem sei, lá no astral qual é seu passo.

Não sei porque, na Terra, não cai a Lua,

Nem sei porque ela , lá, no céu, flutua.

 

Não sei porque nos mudam tanto os fusos,

Nem sei porque nos deixam, eles, confusos

                                                                                                                  Não sei porque,eu vivo lá na Lua

Nem sei porque eu verso pelas ruas.

 

Não sei porque eu ando em tua esteira,

Nem sei porque, por ti, faço besteiras.

Não sei porque eu amo esses teus olhos

Nem sei porque, os meus, tanto eu molho.

                                                                                                               

Mas sei porque melhor verso p’ra Lua:

                                                                                                                 Porque, nela, eu vejo a imagem que é tua.