Falando sobre Poetas Del Mundo

 

Citação

Poetas Del Mundo

Anúncios

Poetas Del Mundo

 

 

 

 

Poetas Del Mundo

Manoel Virgílio

 

Poetas, os Del  Mundo, são diversos,

Pois, paz, trazem, qual mote, em seus versos.

Versando, a violência denunciam

E tempos de justiça prenunciam.

 

Condenam, em poesias, todas guerras

E pregam que haja paz sobre a Terra.

A guerra só revela estupidez;

Dos homens, a extrema insensatez.

 

São vates, pelo mundo, em união

Que têm como missão o pazear,

A paz, levando, em versos, a cada lar

 

Poetas, os Del Mundo, têm visão

Que prega sempre a paz como vivência

E o amor, forma de vida, em excelência.

A L[ampada de Aladim

 

 

 A Lâmpada do Aladin

Manoel Virgílio

 

Famosa essa lâmpada do Aladin,

Quem sabe guarda um gênio para mim?

No ar vai se esgarçando a fumaça

E o gênio, três pedidos quer que eu faça.

 

Não quero lhe pedir prata ou ouro,

Meu verso, para mim, é meu tesouro.

Primeiro vou pedindo paz na terra,

Que o homem nunca mais faça uma guerra.

 

Segundo, que promova uma igualdade:

– Que os ricos distribuam suas riquezas

E, assim, cesse, do mundo, essa pobreza!

 

Porém, para fazer isto verdade,

Terceiro, determine esta meta:

– Que pensem os dirigentes, qual poetas!!!

 

É bom acertar nesta loteria!

  

 Amor é Loteria!

Manoel Virgílio

 

Difícil haver no amor cumplicidade,

Assim, quem tem  amor, não o vá perdendo!

E viva com seu bem, felicidade,

Porque quem perde um amor, fica sofrendo.

 

Amor é indispensável ao viver,

Mas amar sem ser amado é doloroso.

Amar só esperanças faz sofrer,

No entanto, se há retorno é prazeroso.

 

Difícil é, no amor, a parceria…

Alguém gosta de alguém, mas não o tem,

Porém, esse, também, não tem seu bem.

 

Achar um grande amor é loteria!

Jogando: – bem me quer ou mal me quer,

É sorte encontrar a quem se requer.

Adoro o teu beijo…

 

 

 

 

Adoro.

 

Adoro o teu beijo nas manhãs,

Prenuncio matinal de coisas sãs.

Eu gosto do café que tu me côas,

 Na voz, uma canção que em mim, ecoa.

 

Cantando vais cumprindo as rotinas,

As mesmas que aprendestes em menina.

A água no feijão e na panela,

 Limpeza com a vassoura e a flanela.

 

Detesto se me expulsas ao trabalho,

Mas sigo, te lembrando nos atalhos

E espero pela hora de voltar.

 

Adoro o teu jeito de me amar

Daquilo que tu fazes ao meu lado.

Cupido, acertaste, obrigado!

 

Manoel Virgílio