“Junho” Soneto de Manoel Virgílio. com formatação de Leda Lucia em desenho de Militão dos Santos.

 

Junho

Manoel Virgílio

É junho e no céu não há mais balão,

igual quando criança ainda os via.

Pois eram qual estrelas na amplidão.

aos céus, em quantidade sempre havia.

.

Mas hoje são perigos nas cidades,

de incêndio em seus prédios e florestas.

E tudo vai mudando nas idades,

Em junho, nem iguais são mais as festas.

.

São Pedro, Santo Antonio, São João,

Com funk e sem quadrilha p’ra dançar.

São festas sem fogueira, sem quentão,

canjica e rapadura p’ra apreciar.

.

Na noite, tiroteios ao invés de fogos…

As festas, as juninas, que eu vi, cobro!

 

Junho!